O trabalho feminino precarizado - um estudo no Brasil e em Portugal

Precarized female work - a study in Brazil and Portugal

Authors

  • Ana Lúcia Alencar Burgos

DOI:

https://doi.org/10.54018/sssrv3n2-010

Keywords:

pobreza, trabalho, desigualdades sociais

Abstract

A categoria gênero contribui para desnaturalizar e historizar as desigualdades entre homens e mulheres, de modo histórico e relacional, para que não se incorra no erro de deixar de identificar os diferentes poderes detidos e sofridos por homens e mulheres (SAFIOTTI, 1992). O conceito de gênero foi, segundo Scott (1990, p.5), criado para opor-se a um determinismo biológico nas relações entre os sexos, dando-lhes um caráter fundamentalmente social. Desse modo, o conceito de gênero ao enfatizar as relações sociais entre os sexos, permite a apreensão de desigualdades entre homens e mulheres, que envolvem um de seus componentes centrais, as desigualdades de poder. Nas sociedades ocidentais, marcadas também por outros ‘sistemas de desigualdade, como apontado pela abordagem pós-estruturalista, é possível constatar, no entanto, que o padrão dominante nas identidades de gênero de adultos envolve uma situação de subordinação e de dominação das mulheres, tanto na esfera pública como na privada (CARVALHO, 1998). Abordaremos dois estudos de caso sobre o trabalho feminino precarizado no Brasil. O primeiro estudo foi realizado no Condomínio Urupiara, localizado em Alagoinhas/Bahia/’Brasil. Os dados retratam que a maioria da população é formada por mulheres jovens com baixa escolaridade e com uma renda de 1 S.M. Nesta área não se encontra os serviços públicos necessários para os moradores, com exceção dos equipamentos de lazer (parques e praças) e equipamento esportivo. O segundo estudo de caso no Brasil foi realizado no Condomínio Volterra, localizado na cidade de Duque de Caxias, baixada fluminense, do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Os dados retratam também que a maioria da população é formada por mulheres jovens, com renda de até 2 S.M e baixa escolaridade. Concluímos com o estudo que o Trabalho Precarizado é em sua maioria de natureza feminina, que resulta na pauperização feminina no mundo contemporâneo, e está presente na maioria das cidades brasileiras  e também em Portugal, em virtude de um processo histórico cultural, onde ainda existe menos oportunidades de trabalho e menor renda para as mulheres, principalmente para as mulheres pobres e negras. Esta precarização ocorre ainda devido se associar o trabalho doméstico ao das mulheres.

Additional Files

Published

2022-05-10

How to Cite

Burgos, A. L. A. . (2022). O trabalho feminino precarizado - um estudo no Brasil e em Portugal: Precarized female work - a study in Brazil and Portugal. STUDIES IN SOCIAL SCIENCES REVIEW, 3(2), 524–545. https://doi.org/10.54018/sssrv3n2-010