Sexualidade no puerpério: principais fatores envolvidos

Sexuality in the puerperium: main factors involved

Authors

  • Bruna Obeica Vasconcellos
  • Caroline Graça Mota Damasceno
  • Ana Sanches Prazeres
  • Jacqueline Assumpção Silveira Montuori
  • Thatiana Terzi Galvão Pavarino
  • Walter Palis Ventura

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv3n2-038

Keywords:

sexualidade, período pós-parto, qualidade de vida

Abstract

Introdução: Desde o período gestacional ocorrem mudanças na rotina e comportamento do casal devido a gravidez. No puerpério, a mulher experiencia muitos eventos, como a amamentação, os cuidados com o recém-nato e a nova dinâmica familiar. Um ponto importante para todas as mulheres, independente da faixa etária, é a sexualidade, tema que deve ser abordado desde o pré-natal até as consultas de revisão puerperal, visando sua desmistificação e consequente abordagem precoce de disfunções sexuais. Materiais e métodos: trata-se de revisão bibliográfia realizada por meio do levantamento de artigos científicos nas bases de dados nas bases de dados Scielo e PubMed de 2005 a 2020 utilizando os descritores “sexualidade”, “puerpério” e “pós-parto”. Discussão: Cerca de 70% das puérperas queixam-se de dificuldades sexuais. Diversos fatores impactam negativamente sobre a sexualidade do casal durante o puerpério, ganhando destaque pela literatura: via de parto, trauma perineal, amamentação, desequilíbrio psicológico e depressão. Diferentes estudos apontam controvérsias quanto à relevância da via de parto sobre a disfunção sexual pós-natal. O parto vaginal aparece associado à dispareunia, atraso no retorno à atividade sexual e estresse sobre incontinência fecal e urinária. Porém, não há consenso na literatura de que a via alta seja alternativa eficaz para tais queixas. Quanto à rotura perineal esponânea e a episiotomia, o uso de fórceps e duração prolongada do segundo período do parto, existe consistência na associação a piores escores em escala de função sexual. Todos os fatores citados apresentam ligação direta à percepção da dor pela puérpera, interferindo em seu desejo sexual e evocando a necessidade da discussão acerca da instrumentalização do parto. A amamentação, ainda que fortemente encorajada e com papel benéfico indiscutível a saúde materna e infantil, é percebida de forma individual por cada mulher a depender do contexto social, econômico e cultural no qual se insere. Está associada a modificações hormonais intensas, como estimulo a secreção de prolactina e redução da concentração de estrógenos, por consequência interferindo na libido feminina e na lubrificação vaginal, bem como atua sobre o estado psicológico do casal e percepção da auto-imagem corporal. Até 20% das parturientes são afetadas pela depressão pós parto, também refletindo sobre a sexualidade no puerpério, já que mesmo o seu tratamento pode manifestar efeitos adversos como a perda do interesse sexual. Conclusão: Para que o retorno as atividades sexuais ocorra de forma favorável ao casal, proporcionando fortalecimento da relação, é necessário abordar o tema da sexualidade ainda durante o pré-natal. Através da troca de conhecimento entre obstetra e paciente é importante compreender os anseios trazidos pelo casal abordando-os precocemente a fim de sanar dúvidas que de outra forma podem levar a prejuízo da sexualidade durante o puerpério.

Published

2022-05-23