Análise do ângulo de fase como marcador prognóstico em pacientes críticos cirúrgicos oncológicos

Phase angle analysis as a prognostic marker in surgical oncology critically ill patients

Authors

  • Panera Charnioski de Andrade
  • Fernanda de Oliveira Nascimento Jacques
  • Marina Lopes
  • Camila Brandão Polakowski

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv3n2-034

Keywords:

câncer, ângulo de fase, unidade de terapia intensiva

Abstract

Introdução: Identificar pacientes oncológicos em pós operatório com risco nutricional em unidades de terapia intensiva (UTI) é de suma importância para a prática da terapia nutricional. O ângulo de fase (AF) e o cálculo do Ângulo de fase padronizado (AFP), podem ter valor prognóstico no paciente grave. O objetivo é avaliar o AF assim como a situação nutricional dos pacientes utilizando métodos de antropometria objetiva e de avaliação sistêmica e nutricional para compará-los como preditores de morbidade e mortalidade.  Método: Estudo prospectivo, em adultos com câncer submetidos à cirurgia eletiva, admitidos na UTI no pós-operatório imediato. Foram submetidos à avaliação do estado nutricional, impedância bioelétrica (BIA) para obtenção do AF/AFP em até 48h após admissão na UTI e avaliação dos desfechos clínicos em até 28 dias. Os dados foram submetidos à análise estatística, sendo considerado o nível de significância de p <0,05. Resultados: Foram avaliados 51 pacientes, média de idade de 64±11anos. A média do tempo de internação foi de 9±8 dias, sendo o tempo de permanência na UTI de 1±1 dia. Os valores médios de AF foram 4,48º±1,29º e AFP -1,93º±1,35º.  A média de AF e AFP foram significativamente menores entre o grupo que evoluiu a óbito 2,97º e -2,95º respectivamente do que naqueles que sobreviveram com resultados de AF e AFP 4,57º e -1,87º respectivamente. A taxa de mortalidade foi de 5,9% (n= 3) no final do período do estudo. Conclusões: Observou-se que os valores de AF e AFP de risco foram menores nos pacientes em risco nutricional, assim como foram identificados menores valores de AF e AFP no grupo que evoluiu a óbito, ressaltando a hipótese que uma redução nos valores de AF e AFP associou-se à piores indicadores clínicos e prognósticos.

Published

2022-05-13