Importância do conhecimento das variações anatômicas da tríade portal no transplante hepático

The importance of knowing the anatomical variations of the portal triad in hepatic transplantation

Authors

  • Anna Carolina Pereira Gomes
  • Glenda Helena Rosa do Amaral
  • Eduardo Cunha Costa
  • João Victor Koiti Silva Yamashita
  • Luana Augusta Santana Lima
  • Lohahanne Yasmin Coelho Aguiar Lopes
  • Arthur Vinícius Moraes Silva
  • Mário de Souza lima e Silva

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv3n2-030

Keywords:

tronco celíaco, transplante hepático, variação anatômica

Abstract

Há muitas variações nos ramos da artéria hepática, sendo importante no estudo do mapa vascular. Em 1955, Michels desenvolveu uma classificação do padrão anatômico do tronco celíaco, em seguida, 1966 foi internacionalmente proposta a classificação das variações anatômicas desta artéria. Compreende-se que, o tronco celíaco e a artéria mesentérica superior são dois ramos abdominais da aorta onde o tronco celíaco origina- se depois do hiato aórtico ao nível da transição das vértebras torácicas para as lombares e trifurca-se em artéria esplênica, artéria hepática comum e artéria gástrica esquerda (MOORE,2014). Sabe-se que a vasculatura abdominal possui vários padrões de origem, e conhecer os casos de variações anatômicas mais usuais é determinante no planejamento cirúrgico e nos exames intervencionistas. A correta identificação da anatomia no pré-operatório evita que o cirurgião encontre situações inesperadas e que, em alguns casos, impeçam o transplante.

Published

2022-05-09