Sentimentos da família de crianças que necessitam de uma vaga na unidade de terapia intensiva pediátrica: itinerário terapêutico na busca de diagnóstico

Feelings of the family of children who need a place in the pediatric intensive care unit: therapeutic itinerary in the search for diagnosis

Authors

  • Letícia Silva Lutterbach
  • Elena Araujo Martinez
  • Bruna Santos Ferreira Lima
  • Heloisa Arruda Magalhães
  • Fernanda Maria do Carmo da Silveira Neves de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv3n2-025

Keywords:

itinerário terapêutico, unidades de terapia intensiva pediátrica, criança, família, sentimentos

Abstract

Objetivo: caracterizar o itinerário terapêutico de crianças admitidas na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica - UTIP e descrever os sentimentos da família de crianças que necessitam de uma vaga na UTIP. Método: pesquisa descritiva, qualitativa, com suporte teórico do modelo de Sistema de Cuidados à Saúde de Arthur Kleinman. Realizada análise de conteúdo das entrevistas com 10 familiares de crianças internadas em uma UTIP no município do Rio de Janeiro. Resultados: A análise evidenciou duas categorias. No Itinerário Terapêutico das crianças até a admissão na UTIP foi destacado os sinais e sintomas do adoecimento da criança que levaram a família na busca por atendimento e a experiência vivida; recursos das unidades de saúde; e informações da necessidade de transferência para UTIP. Quanto aos sentimentos dos familiares durante a espera da vaga da UTIP foi revelado o conflito de sentimentos vividos pelo familiar e a sua relação com a equipe multiprofissional da UTIP. Considerações Finais: A identificação do itinerário terapêutico permitiu a compreensão da assistência oferecida a criança e que nem sempre os caminhos predeterminados nas redes de serviço são eficazes e funcionam. Observou-se que falhas no primeiro atendimento podem interferir no diagnóstico precoce e agravamento do quadro clínico, e a família vivencia sentimento de confiança e acolhimento quando conseguem a vaga na UTIP, e de insegurança pela espera, ansiedade pela falta de diagnóstico e medo da morte.

Published

2022-05-02