Comparação do impacto da não adesão ao tratamento na qualidade de vida de pessoas com diabetes mellitus tipos 1 e 2

Impact of non-adherence to treatment on the quality of life of people with diabetes mellitus

Authors

  • Ana Paula Franco Pacheco
  • Sinthya Araújo Pereira
  • Thaynara Sâmella Santos da Fonseca
  • Hellen Cristina Marques Teixeira

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv3n2-017

Keywords:

diabetes melitus, cooperação, adesão ao tratamento, qualidade de vida

Abstract

O Diabetes Mellitus (DM) é um distúrbio metabólico crônico não transmissível, caracterizado por hiperglicemia decorrente de defeitos da secreção e/ou da ação da insulina. Atualmente é considerado como um grave problema de saúde pública devido ao impacto econômico e social que tem gerado. Etiologicamente é divido em alguns tipos, sendo os mais comuns Diabetes Mellitus tipo 1 (DM1) e o Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2). As pessoas com DM estão mais suscetíveis a ter uma redução na qualidade de vida (QV) se comparadas àquelas que não tem a enfermidade, principalmente se apresentarem manejo incorreto da doença. Este estudo teve como objetivo avaliar o impacto da não adesão ao tratamento na QV de pessoas com DM, além de comparar as diferenças no nível de adesão ao tratamento e QV dos indivíduos com DM1 e DM2. Trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa, no qual foi utilizado como método aplicação de um formulário eletrônico divulgado em mídias sociais. O formulário foi dividido em três seções, onde avalia os dados sociodemográficos do entrevistado, nível de adesão ao tratamento e nível de sofrimento emocional através da escala Brazilian version of the Problem Areas in Diabetes (B-PAID). A amostra foi composta por 151 pessoas com DM. A maior parte é do sexo feminino, com idade superior a 45, residente na região sudeste com diagnóstico de DM1 há mais de 10 anos. Observou-se que 49,2% da respectiva amostra apresentou baixa adesão ao tratamento e 52,3% atingiram alto nível de sofrimento emocional pela escala B-PAID, indicando redução na QV. Torna-se evidente, portanto, que uma adesão insatisfatória ao tratamento compromete diretamente a qualidade de vida.

Published

2022-04-14