A clínica fenomenológico-existencial: um saber-fazer pós identitário

The phenomenological-existential clinic: a post-identitarian know-how

Authors

  • Felipe Miranda Zanetti

DOI:

https://doi.org/10.54018/shsv3n1-017

Keywords:

Phenomenological Psychology, Existential Phenomenology, Existentialism, Freedom, Psychological Clinic. /, Psicologia Fenomenológica, Fenomenologia Existencial, Existencialismo, Liberdade, Clínica Psicológica.

Abstract

A psicologia, como área de conhecimento das ciências humanas, cumpre em sua clínica a função de cuidado à vida a partir de suas intervenções, que por sua vez estão quase sempre pautadas no positivismo. Este trabalho visa pensar, contrário às práticas naturalistas e indutivas, caminhos para a construção de uma clínica fenomenológico-existencial que seja transgressora das normas padronizadas como adequadas no percurso da história e em sua influência na construção dos modos de ser. Entende-se que a clínica aqui defendida precisa se opor ao identitarismo metafísico, ela pode ser articulada a partir de um saber-fazer fenomenológico, um conhecimento que não se separa de sua prática ativa na relação de cuidado com o outro; é uma prática que nos afasta das ortopedias das existências, tornando-se portanto uma psicologia pós-identitária. Essa clínica é um fazer que se exercita pela paciência.

 

Psychology, as an area of knowledge of the human sciences, fulfills in its clinical practice the function of caring for life through its interventions, which are almost always based on positivism. This work aims to think, contrary to naturalistic and inductive practices, of ways to build a phenomenological-existential clinic that transgresses the standardized norms as adequate throughout history and their influence on the construction of ways of being. It is understood that the clinic defended here needs to oppose metaphysical identitarianism, it can be articulated from a phenomenological know-how, a knowledge that cannot be separated from its active practice in the care relationship with the other; it is a practice that moves us away from the orthopedics of existences, becoming therefore a post-identitarian psychology. This clinic is a doing that is exercised by patience.

Published

2022-01-18