Implicação do uso indiscriminado de psicofármacos na atenção primária

Implication of the indiscriminate use of psychodrugs in primary care

Authors

  • Maria Eduarda de Oliveira Rodrigues
  • Rafisah Sekeff Simão Alencar
  • Larissa Bispo Alves Roncen
  • Raisa Ozaneide Oliveira da Silva

DOI:

https://doi.org/10.54018/shsv3n1-005

Keywords:

psicofármacos, atenção primária, psicotrópicos./, psychotropic drugs, primary health care.

Abstract

A Atenção Primária é a responsável por receber o maior número de pacientes com diversas demandas, incluindo a da saúde mental e, além disso, a utilização de psicofármacos tem se mostrado cada vez mais presente, no entanto, o abuso dessas substâncias pode trazer impactos negativos e o desconhecimento dos profissionais impulsiona a questão. Esse estudo visa analisar os motivos e as consequências desse acontecimento, para sua realização, houve um levantamento bibliográfico de forma online nas bases Scielo, PubMed e BVS incluindo publicações dos últimos 10 anos, em português, inglês ou espanhol, disponibilidade na íntegra e correlação com o tema pesquisado, ademais, os descritores utilizados foram: “atenção primária” AND “psicofármacos” e “Psychotropic Drugs” AND “Primary Health Care”. O médico possui papel central na orientação e prescrição de psicofármacos, contudo, a falta de protocolos, de conhecimento em relação ao diagnóstico e seu melhor tratamento faz com que as prescrições desnecessárias sejam realizadas. Além disso, muitas pessoas criam expectativas em relação às medicações tornarem- -se a solução dos seus problemas e, desta forma, desenvolvem dependência do fármaco. Foram encontrados fatores de risco para a imoderação ocorrer, principalmente, no sexo feminino, em baixa escolaridade e nos idosos, o primeiro se deriva do fato de que as mulheres cuidam mais da saúde e o segundo se relaciona ao fato de que transtornos mentais comuns são mais prevalentes em pessoas de baixa escolaridade. Já nos idosos o uso de psicofármacos deve ser criterioso visto que está relacionado com aumento de quedas e fator de risco para demências e pacientes com outras comorbidades também estão presentes, o que gera uma polifarmácia e suas consequências negativas. Também ocorrem impactos econômicos no abuso tanto para o paciente comprar o remédio como para o sistema de saúde que gasta com medicações desnecessárias. Para a resolução desse problema seria necessário a realização de protocolos bem estabelecidos associados às medicações oferecidas pelos SUS além da capacitação dos profissionais de saúde da Atenção Primária para lidar melhor com essa situação, com destaque para psicólogos e psiquiatras quando o clínico não se ver capaz de lidar com a situação.

 

Primary Care is responsible for receiving the largest number of patients with different demands, including mental health and, in addition, the use of psychotropic drugs has been increasingly present, however, the abuse of these substances can have negative impacts and the lack of knowledge of professionals drives the issue. This study aims to analyze the reasons and consequences of this event, for its accomplishment, there was an online bibliographic survey in the Scielo, PubMed and BVS databases, including publications from the last 10 years, in Portuguese, English or Spanish, availability in full and correlation with the topic researched, in addition, the descriptors used were: “primary care” AND “psychotropic drugs” and “Psychotropic Drugs” AND “Primary Health Care”. The doctor has a central role in the orientation and prescription of psychotropic drugs, however, the lack of protocols, knowledge regarding the diagnosis and its best treatment makes unnecessary prescriptions to be carried out. In addition, many people create expectations that medications become the solution to their problems and, in this way, develop drug dependence. Risk factors were found for immoderation to occur, mainly in females, with low education and in the elderly, the first derives from the fact that women take more care of their health and the second is related to the fact that common mental disorders are more prevalent in people with low education. In the elderly, the use of psychotropic drugs must be judicious, as it is related to an increase in falls and a risk factor for dementia and patients with other comorbidities are also present, which generates polypharmacy and its negative consequences. There are also economic impacts from abuse both for the patient buying the drug and for the health system that spends on unnecessary medications. To solve this problem, it would be necessary to carry out well-established protocols associated with the medications offered by the SUS, in addition to training Primary Care health professionals to better deal with this situation, especially for psychologists and psychiatrists when the clinician is not able to deal with the situation.

Published

2022-01-14