Utilização do polímero natural do quiabo (abelmoschus esculentos l. Moench) no tratamento de água de abastecimento humano

Use of natural polymer from okra (abelmoschus esculentos l. Moench) in the treatment of human water supply

Authors

  • Gabriel Henrique Chagas
  • Mary Leiva de Faria

DOI:

https://doi.org/10.54019/sesv3n1-009

Keywords:

Polímero natural, quiabo, floculação/coagulação

Abstract

O presente trabalho teve como objetivo descrever a eficiência do polímero natural do quiabo (Abelmoschus esculentus L. Moench) como agente floculante e coagulante no tratamento de água de abastecimento humano. O quiabo apresenta cadeias longas de polissacarídeos que podem remover impurezas da água, bem como conceder peso e tamanho às partículas, ajudando nos processos de clarificação. O quiabo pode ser utilizado na forma de mucilagem extraída da vagem (baba do quiabo) ou na forma de solução obtida a partira do pó seco da vagem pulverizada. Os dados levantados em revisão de literatura mostram a eficiência do quiabo como auxiliar de floculação no tratamento de água e como fonte de redução do uso de coagulantes químicos. Essa redução de coagulantes químicos pode minimizar, por exemplo, o risco de contaminação da água por alumínio residual, o qual está associado a doenças neurodegenerativas como Parkinson e Doença de Alzheimer, em decorrência da exposição humana a este metal. Além disso, o emprego de polímeros naturais, como o quiabo, leva a formação de lodos em quantidades reduzidas se comparadas com as dos coagulantes químicos, e com menores teores de metais. Tais lodos são ainda menos volumosos e facilmente biodegradáveis, contribuindo assim com a preservação ambiental.

Published

2022-01-18

How to Cite

Gabriel Henrique Chagas, & Mary Leiva de Faria. (2022). Utilização do polímero natural do quiabo (abelmoschus esculentos l. Moench) no tratamento de água de abastecimento humano: Use of natural polymer from okra (abelmoschus esculentos l. Moench) in the treatment of human water supply. STUDIES IN EDUCATION SCIENCES, 3(1), 137–148. https://doi.org/10.54019/sesv3n1-009